Notizie, curiosita',aneddoti, e fantasie su New York – tagged "Vintage" – Minha Viagem a Nova York Google+

Autenticamente Nova York

O que Fazer em Staten Island September 09 2019

Descobrir o distrito menos explorado pelos turistas em Nova York, é um passeio único, imperdível para quem deseja realmente entrar no estilo de vida Americano.

Localizada no sul da Big Apple, Staten Island é um bairro tipicamente residencial que tem muitas diferenças em relação aos outros distritos mais caóticos da cidade.

Com seus 265 quilômetros quadrados e uma população de cerca de 500.000 habitantes, é o distrito menos densamente povoado, portanto, o local perfeito para quem está em Nova York e quer fugir da agitada vida da cidade.

Chegando a Staten Island

Você pode chegar a Staten Island atreves de Nova York, por terra, pela da ponte Verrazzano-Narrows, de carro ou ônibus que conecta a ilha ao distrito de Brooklyn.

No entanto, a alternativa favorita dos turistas é a linha de Staten Island Ferry.

Os barcos partem do terminal South Ferry, Lower Manhattan, que é facilmente acessível pelas linhas de metrô R e W, saindo na parada de Whitehall ou pela linha 1 e chegando na parada da estação de ferry.

Uma vez a bordo, os navios permitirão chegar ao Terminal de Ferry de Saint George.

Os ferries funcionam todos os dias do ano e são totalmente gratuitos.

O passeio leva cerca de 30 minutos e você pode desfrutar de uma bela vista de toda a cidade de Nova York e da Estátua da Liberdade.

Recomendações ao pegar balsa para Staten Island:

  • Não é permitido fumar a bordo do ferry, como na maioria das áreas do Terminal.
  • No ferry, você pode comprar lanches, bebidas e cervejas.
  • As bicicletas podem ser carregadas a bordo, mas devem ser deixadas no espaço fornecido durante o embarque.
  • Você pode trazer skates e patins a bordo, mas não pode usá-los durante a corrida ou dentro do terminal.

Para aproveitar a viagem ao máximo, eu recomendo que você evite os horários de pico. Nos dias úteis, o horário é das 6:00 às 9:00 da manhã e das 15:30 às 18:00 da tarde.

O que fazer em Staten Island

Depois de desembarcar na ilha perto do terminal, você pode visitar o Staten Island September 11th Memorial. Este monumento feito em memória das 274 vítimas do ataque as Torre Gêmea e representa duas alas prontas para o voo, enquadrando o perfil dos arranha-céus de Manhattan ao fundo.

Ao norte da ilha fica o Snug Harbor Cultural Center & Botanical Garden.

Dentro deste parque, você terá a oportunidade de admirar o jardim botânico da ilha dividido em muitos pequenos jardins temáticos, como o Jardim das Rosas ou o labirinto de arbustos do Jardim Secreto de Connie Gretz.

Outro lugar marcante é o New York Chinese Scholars Garden, uma fiel proposta de um jardim chinês clássico, com componentes arquitetônicos característicos, como pontes e pagodes.

Também no Snug Harbor, você pode visitar o Staten Island Children Museum e a Noble Maritime Collection.

O primeiro é um museu dedicado a exposições e atividades interativas para crianças, enquanto o segundo é uma exposição de pinturas marítimas e modelos de navios do artista John A. Noble.

Outro museu que poderia interessar os italianos, é o Garibaldi-Meucci Museum.

Esta propriedade está localizada no distrito italiano de Rosebank e já recebeu nossos compatriotas em diferentes épocas. É possível visitá-lo através de visitas guiadas ou até participar de oficinas e conferências.

Mais adiante, em direção ao centro de Staten Island, está o Jacques Marchais Museum of Tibetan Art. Dentro do prédio, você pode admirar a coleção de um grande especialista em cultura tibetana, Jacques Marchais, que fundou o Museu em 1945.

Além da exposição, também são realizadas aulas de Tai Chi e meditação, leituras e apresentações musicais.

Você também pode participar de ritos celebrados por monges tibetanos e saborear pratos típicos da pequena cidade situada na maior cordilheira do mundo.

Não muito longe deste museu, você pode visitar a Historic Richmond Town.

É uma antiga vila de 1700 completamente reconstruída, na qual é possível fazer visitas guiadas, durante as quais as pessoas se reúnem em trajes tradicionais da época com a intenção de realizar atividades típicas daquele momento histórico.

Em alguns períodos do ano, também serão realizadas representações históricas, como a reconstrução da guerra civil americana.

Vale a pena visitar os inúmeros parques e praias de toda a ilha, como South Beach ou o Great Kills Park. Dentro deste último parque, é possível chegar à praia de Great Kills Beach.

 


Os Melhores Cupcakes de Nova York e Onde Encontrá-los November 17 2017

Christopher Cammarano

Os Cupcakes, assim como os Hambúrgueres, são símbolos culinários da América do Norte e de Nova York. Esses dois elementos conseguem agradar os mais distintos paladares. Bem, quando eu estava em NY eu perguntei para todos: Onde comer os melhores Cupcakes dessa cidade? E aqui está o meu ranking pessoal, após experimentar vários lugares e tipos desse doce fantástico! Espero que vocês gostem.

 

Os melhores cupcakes de Nova York

1. Magnolia Bakery
401 Bleecker St, New York, NY 10014, Estados Unidos

Fundada em 1996, a Magnolia Bakery é provavelmente a cadeia de padaria mais popular de Nova York. Originalmente nascida de uma pequena unidade, hoje é Doda de várias lojas espalhadas por toda Nova York, mas o local mais antigo está localizado na Rua Bleecker.

A variedade de cupcakes oferecidos é realmente enorme, mas a minha dica que vale ouro aqui é a versão de Red Velvet. Cada cupcake custa entre US $ 2,75 e US $ 3,50.

 

2. Two Little Red Hens

1652 2nd Ave, New York, NY 10028, Estados Unidos

Conhecido e premiado por seu cheesecake, Two Little Red Hens também é amado por seus cupcakes. Aqui, a escolha obrigatória é o Brooklyn blackout, um cupcake de chocolate recheado com pudim de chocolate. O lugar é pequeno e acolhedor, e existem poucos assentos. O mini Cupcakes custa US $ 1,75, os normais começam a partir de US $ 3.

 

3. Georgetown Cupcake

111 Mercer St, New York, NY 10012, Estados Unidos

Essa bakery especializada em Cupcake  tem suas origens em Washington DC, hoje Georgetown Cupcake é um verdadeiro império com lojas em todos os EUA e também um programa de TV dedicado especialmente a marca. O restaurante de Nova York está localizado em Soho e dentro dele você pode encontrar cucpakes para todos os gostos (20 tipos diferentes por dia). Os preços variam a partir de US $ 2,75.

 

4. Amy's Bread

250 Bleecker St, New York, NY 10014, Estados Unidos

Não se deixe enganar pelo nome, o Amy's Bread é uma padaria, mas as iguarias encontradas aqui que variam de pão a doces (especialmente cupcakes) são únicas! Existem várias lojas espalhadas por Nova York, mas a mais famosa é a da Vila na Rua Bleecker número 250. Que cupcake eu recomendo? Absolutamente o Devil's Food Cake, um desejo de chocolate que você vai adorar.

 5. Molly's Cupcakes

228 Bleecker St, New York, NY 10014, Estados Unidos

Nascida em Chicago, esta bakery também conquistou Nova York. A história por trás dos Cupcakes do Molly`s merece ser relembrada: ​​Mollys era o nome do seu professor do ensino primário, e sempre que um aluno comemorava seu aniversário na sala, o professor levava um cupcakes. O interior da padaria é inspirado em um ambiente escolar da década de 60!

Aqui você pode encontrar cupcakes de todos os tipos, desde o mais clássico até os mais elaborados. Mas a verdadeira característica do Molly`s são os cupcakes cheios de cremes como o Cake Batter, Creme Brulée, Manteiga de amendoim, Cookie Monster e muito mais.

 

Se você ainda não achou o seu melhor Cupcakes em Nova York, definitivamente vale a pena procurar nesses lugares!


Onde comprar Levi’s super barato em Nova York March 26 2017

Acima de tudo, lembre-se da pronúncia, se diz "Livais” e não “Levis”. Na minha experiência, o mais barato pode ser considerado até 15 dólares, preços que são encontrados na rede OMG (que como vocês devem imaginar é um acrônimo para, Oh My God), aqui vocês vão achar modelos de todos os tipos. Certamente não é como ir fazer compras na Prada, essa é uma loja de departamentos. Mas, para obter preços competitivos, esse é o lugar apropriado.

Olhe bem, porque certamente aqui você vai fazer um bom negócio. Se vocês tiverem qualquer outra loja para sugerir, por favor, escreva para nós. Há 8 cadeias de lojas OMG em Nova York, as indicamos no no mapa a seguir.


Outubro, o mês do Halloween em Nova York October 15 2016

Outubro é o mês do Halloween, a festa mais esperada do ano pelos nova-iorquinos. O Halloween não é apenas o desfile do dia 31, com todas aquelas máscara incríveis! É uma atmosfera que funciona durante todo o mês de outubro.

Primeiro, se você está planejando passar o Dia das Bruxas em Nova York, não seja apanhado de surpresa: pense em sua fantasia com antecedência. Você pode optar por uma máscara de estilo caseiro "do-it-yourself", ou visitar uma das muitas lojas de Halloween, algumas das quais ficam abertas apenas durante os meses de setembro e outubro permanecendo fechadas para o resto do ano (eu deixo para você fazer os cálculos aproximados das "receitas" que estas lojas de Halloween tem abertas apenas dois meses por ano).

Halloween Adventure (104 4th Avenue) e Abracadabra Superstore (19 West 21 Street) essas são apenas duas das muitas lojas para comprar ou alugar fantasias para o Halloween.

Aqui estão algumas idéias para você entrar no espírito do Halloween em outubro:

TOUR DAS CASAS "POSSEDUTE" DE MANHATTAN

Onde: Merchant’s House Museum, 29 east 4th street

Quando: de 21 à 30 de outubro.

Oito pessoas da família Merchant morreram nessa casa, que agora é um museu aberto ao público; um museu que tem como objetivo dar aos visitantes a chance de conhecer a "vida doméstica" de uma rica família mercante do século XIX e seus raros quadros irlandeses. Os membros da família morreram a mais de um século e meio atrás, mas é possível, por causa do “Spirated” October Festival, através do “Candlelight Ghost Tour”, entrar em contato com os seus fantasmas, ouvir suas histórias, suas vozes e experiências ... Acredite ou não, durante os 50 minutos do tour, você entra em contato com tudo o que aconteceu naquela casa. Não grite alto demais! O New York Times chama de a casa desse tour de "a casa mais temida  de Nova York". Vários detalhes desse tour podem ser vistos on-line.

ESCURSÃO PELO CEMITÉRIO DE GREEN-WOOD

Onde: 500 25th street, Brooklyn

Quando: sábado 15 de outubro, das 8 p.m. às 12 a.m.

Green-Wood é um cemitério histórico dos nova-iorquinos. Em um velho artigo no The New York Times do final do século XIX, mostrou que o cemitério de Green-Wood é o local mais assustador de Nova York, porém também é o local onde a maioria dos nova-iorquinos queriam ser enterrados." Green-Wood é um enorme cemitério, onde mais de 500.000 nova-iorquinos, por nascimento ou por adoção, estão enterrados. Criado em 1838, é o lar de centenas de soldados mortos durante a Guerra Revolucionária, assim como políticos e artistas. Green-Wood é um enorme espaço verde que inspirou parques como o Central Park e Prospect Park, e onde se pode observar túmulos e mausoléus que datam do século XIX e XX, com diferentes estilos arquitetônicos e alguns bem excêntricos (como um túmulo em forma de pirâmide). O jovem artista Jean Michael Basquiat (1960-1988), protegido de Andy Warhol, está enterrado aqui no Green-Wood.

A iniciativa Into the veil: an after dark exploration, um tour depois do escurecer, realizado geralmente dia 15 de outubro, patrocinado pela Atlas Obscura, promove um tour noturno pelo Green-Wood Cemetery, com performances e leituras, na maioria dos casos, de histórias assustadoras que se passaram lá!

O código de vestuário recomendado é o “cocktail attire”, mas com sapatos confortáveis e uma jaqueta não muito leve, para suportar as noite de outono de Nova York.

Ferramenta necessária para o tour: uma lanterna e pilhas de reserva, você nunca sabe o que vai acontecer. Imaginar ficar no escuro no meio do cemitério Green-Wood em uma noite sem lua?

BROOKLYN HORROR FILM FESTIVAL

Onde: diferentes locais.

Quando: de 14 à 16 de outubro de 2016.

Halloween tem como sinônimo "terror", e se vocês são fãs de filmes de terror, vocês não podem perder o festival “the art of horror filmaking”: o Brooklyn Horror Film Festival. Além da exibição de filmes clássicos e independentes, existem outros eventos dentro como reuniões e festas que fazem parte do festival. Confira a programação completa no site, e no local do evento, no Videology do Wythe Hotel, existem vários espalhados por todo Brooklyn. Os organizadores do festival, o definem como um "festival de cinema de gênero durão", leve um amigo, ou um "inimigo". Más intenções? No Halloween tudo é permitido.

http://brooklynhorrorfest.com/

A PROCISSÃO DE GHOULS NA CATEDRAL DE ST. JOHN

Onde: St. John the Divine, 1047 Amsterdam

Quando: 28 de outubro de 2016

A procissão anual de ghouls e demônios, na catedral do Harlem (Morning Side), é a maior de Nova York, é uma experiência imperdível. St. John the Divine é chamada assim por causa do St. John the Unfinished, porque, devido à falta de fundos essa catedral, que começou a ser construída na segunda metade do século XIX, nunca foi concluída (se vocês olharem para cima vão ver partes inacabadas na fachada dela). O estilo romano-gótico dos arcos da catedral dão o “set” perfeito para a procissão de demônios e bruxas, acompanhado por um ambiente macabro com grandes pilares e corredores em um cenário de tirar o fôlego, ainda tem a apresentação do grupo teatral de Ralf Lee and The Mettawee River, o Halloween Extravaganza and Procession of the Ghouls. Isso tudo mostra como Nova York é perfeita para a época do Halloween.

JARDIM BOTÂNICO: ESPANTALHOS E ABÓBORAS

Onde: 2900 Southern Blvd, Bronx

Quando: a partir de 17 de setembro - 30 de outubro.

A exposição de Scarecrows & Pumpinks  (espantalhos e abóboras), do artista Ray Villafane é uma oportunidade única de visitar o Jardim Botânico, no Bronx. Além de admirar as plantas e flores e todo o colorido único do outono, você vai encontrar-se rodeado por cerca de trinta espantalhos "alegres", verdadeiras obras de arte que o artista concebeu com a ideia de representar a sua evolução ao longo dos anos. Espantalhos desempenham um papel importante na agricultura e cultura americana. Não só são os guardiões dos jardins e campos, como são frequentemente retratados como personagens de desenhos animados, filmes e histórias em quadrinhos.

HALLOWEEN PARTIES!

São muitas “parties”, organizadas para o Halloween, e você vai ter a dificil tarefa de escolher em quais ir. Em uma área menos turísticas uma das festas mais divulgadas é a Stranger Things theme party a Lot 45, no bairro Bushwick no Brooklyn. A festa é inspirado por uma lenda macabra associada ao desaparecimento de um menino de 12 anos de idade, Will Byers, na cidade americana de Hawkins. Em 06 de novembro de 1983 Will Byers desapareceu depois de sair da casa de seu amigo, logo depois uma menina com poderes "psicocinéticos", aparece misteriosamente na cidade e afirma saber onde Will está. Uma história misteriosa que ainda conta com uma agência do governo, que tenta encobrir os fatos ocorridos.

Músicas dos anos 80 para dançar e desfrutar deste evento baseado em fatos verdadeiros.

Onde: 411 Troutman street

Quando: De 21 à 23 de outubro. Das 10 p.m. às 02 a.m.

DESFILE DE CÃES FANTASIADOS

Quando: 22 de outubro a partir de meio-dia até às 15:00 horas.

Centenas de cães de todas as raças vão desfilam todos os anos na maior parada de cães fantasiados do mundo, no coração de Nova York, na Tompkins Square. De 12:00 às 15:00. O evento é gratuito, embora seja recomendada uma doação de 5 dólares para a premiação. O cão vencedor ganhará milhares de dólares!

A 42º PARADA DE HALLOWEEN

Quando: 31 de outubro das 19:00 às 23:00

No tradicional desfile de Halloween só é permitido pessoas fantasiadas (pelo menos máscara), ele acontece todos os anos no Village.

Trajeto para aqueles que estiverem fantasiados: Seguindo pela Sixth Avenue e Spring Street até a 16th Street.

 

Para aqueles que não vão participar fantasiados: Sixth Avenue na Bleecker e a 14th Street são as área mais congestionada. A melhor área para se ficar é a Spring e Houston Street, na 14th e 16th street.

Quando: Das 19:00 às 23:00. Para participar não chegue depois das 18 e 30.


Bushwick Open Studios: Os artistas de Nova York abrindo seus ateliês para o público October 05 2016

Mariagrazia De Luca

Durante a primeira semana de outubro milhares de artistas do Bushwich, bairro localizado no coração do Brooklyn, abrem excepcionalmente seus estúdios ao público, por causa do festival BOS, Bushwick Open Studios (1 e 2 de Outubro), organizado pela Associação de Artes do Bushwick

Para chegar em Bushwick, você deve pegar o trem L para 14th Street parando na Jefferson. 

Andando pelo Open Studios (o mapa pode ser baixado no site oficial do evento), você pode apreciar os belos murais nas paredes dos edifícios do bairro que hoje pode ser considerado um dos mais “alternativos” de Nova York.

 

É uma pena que a busca constante por "lucros" já esteja chegando aqui, e já podemos ver muitos cartazes cobrindo cada vez mais as obras de arte, a maioria de incrível qualidade, feitas por artistas independentes.

 

Entre as muitas exposições que eu recomendo que você faça uma visita a de treze artistas mexicanos, Se habla Arte Mexicano, da associação Méxtasis, na 476, Jefferson Street. Imigração, identidade, feminicídio, e "desaparecidos", esses são apenas algumas das questões abordadas pelos artistas.

Meu conselho: se perder nas ruas de Bushwich, que não são tão geométricas como as de Manhattan, entre e saia dos Studios, converse com os artistas, pergunte sobre sua arte (Estou muito animado para falar sobre isso), tome uma taça de vinho, ou coma pipoca, esses são alguns dos "mimos" que muitas vezes são oferecidos aos visitantes.

 

Cada artista de Bushwick (muitos dos quais são originários de Nova York, mas também de várias outras cidades dos EUA e do mundo) tem uma personalidade distinta, um estilo único, e utiliza materiais diferentes, originais e muitas vezes "incomuns".

 

Durante este fim de semana em Bushwick, tanto na rua como dentro do Open Studios, existem mundos surpreendentes para você descobrir e explorar... Uma aventura que você não pode perder! A sensação após a visita ao Bushwick Studios é de que você esta “drunk”, bêbado de arte e conhecimento.

 


A Procura do melhor café de Nova York September 23 2016

Se há uma coisa que você não pode deixar de trazer seja para visitar ou até mesmo viver nesta cidade maravilhosa, é sem dúvida uma dose abundante de energia.

Em Nova York, de fato, se anda muito. E assim, como um grande amante do café, fui em busca do melhor café expresso de Nova York.

Venha junto comigo!

STARBUCKS

Impossível não começar por aqui.

No imaginário coletivo de todos os italianos, e acredito que não só deles, a Starbucks é a América e a América é a Starbucks.

A rede americana, fundada em Seattle em 1971, combina os melhores cafés de todo o mundo para oferecer aos seus clientes uma variedade quase ilimitada de combinações possíveis: americano, expresso, macchiato, cappuccino, frappuccino e assim por diante.

Esse não será o melhor café expresso que você pode beber na cidade, mas, certamente, ele merece destaque, por tudo que representa, a verdadeira tradição americana de café.

CAFÉ VERGNANO, EATALY

Sinceramente, aqui o nível sobe e muito.

A histórica empresa de Piemonte fica localizada na gigante Eataly, perde em fama apenas para o lendário Flatiron, o "Iron" apelido dado pela forma triangular do edifício, um dos mais famosos do mundo.

O que mais posso dizer? Bem-vindo à Itália!

Desfrute de uma pausa com muitos aromas e cortesia, e você ainda tem a vantagem de poder comprar café moído na hora, e cápsulas compatíveis com as principais máquinas do mercado (recurso valioso para aqueles que estão em hotéis ou apartamentos que possuem cafeteiras) existe também uma grande variedade de biscoitos e doces de todos os tipos.

Os preços são razoáveis, mas para quem procura um típico café italiano, essa é um ótima opção.

ZIBETTO ESPRESSO BAR

Essa é a verdadeira (deliciosa!) surpresa da minha aventura de aromas e sabores. 

Ao contrário de outras dezenas de bares espalhados pelas ruas de Nova York, o café expresso daqui não se permitiu ser influenciado pelos hábitos de Nova York e gosto típico dos americanos. A essência aqui foi mantida de forma intacta.

Não existem variantes: café preto, cappuccino e macchiato.

101% Italiano, simples e perfeito.

Os preços são médios e existe uma infindável variedade de iguarias, doces e salgados, com os quais você sai regenerado seja de um passeio ou de uma reunião de negócios estressante.

Existe uma unidade que fica localizada no Rockefeller Center em um ambiente espaçoso e acolhedor. O da 5th Avenue (esquina da 42th) é menor, no entanto, está no coração de tudo.

SAN MATTEO ESPRESSO BAR

Se há uma coisa (na verdade, existem muitas!) que eu amo fazer é certamente tomar um café.

Ciro Casella é o nome do visionário por trás deste projeto, ele é de Salerno e já possui três lojas diferentes em Manhattan. Eu sou cliente assíduo do Pizza Espresso Bar Guest na 90th com 2nd Avenue, onde sua filha Marica, é a gerente.

Bem, o café aqui é arte! A mistura produzida com orgulho pelo Ciro vem cheia de força e aroma.

Feche os olhos: você está em casa.

Para os caçadores de emoções, e especialmente para pessoas que não estão de dieta, aqui está sua majestade, com base de noz, um creme misterioso e coberto com chantilly e chocolate em pó feito à mão.

Essa é uma das obras de arte assinada por Ciro.

TARALLUCCI E VINO

Outro lugar rico em estilo italiano está espalhado por cinco locais diferentes.

O meu favorito, fica além da Union Square, próximo ao Upper West Side (esquina da 83 com a Columbus Avenue).

Café e Cappuccino assinados por Lavazza, os croissants e as bombas também são incríveis. O lugar também é muito procurado para almoço e jantar.


Pedalando pelo Central Park. (Mapa) September 17 2016

1) Aqui vocês podem ver o mapa, e esse já pode ser considerado o grande início do passeio. Você não pode sair pedalando livremente pelo parque, se você andar de bicicleta em áreas dedicadas a pedestres por exemplo (aquelas em cinza no mapa) poderá receber uma multa. De bicicleta você pode circular nas faixas verdes (às vezes compartilhada com carros) e nos traços laranja, compartilhada com os pedestres. O circuito completo é de 6,1 milhas (mais ou menos 9,7 Km) de comprimento. Para reservar a bicicleta você pode vir ao nosso escritório na 324 W 47th, ou fazer uma reserva  on-line, clicando aqui.

2) O parque fecha de 01:00 AM até as 6:00 AM), se você tentar utilizar a ciclovia do parque durante esse horário irá correr sérios riscos de tomar uma multa.

 

3) A ciclovia tem apenas um sentido, o anti-horário. Caso você queira dar meio volta ou encurtar o seu caminho, tem que utilizar alguns retornos e desvios que ficam espalhados pela ciclovia. Observem as linhas verdes no mapa. Lembre-se que você pode utilizar alguns desvios para encurtar a volta de mais ou menos 10 km no parque.

 

4) Quando a ciclovia é compartilhada com carros, você deve utilizar apenas a área limitada as bicicletas. Quando não houver tráfego (geralmente das 10 horas da manhã até as 15 horas da tarde e após as 19 horas todos os dias), você poderá ocupar toda pista.

 

5) Existe um limite de 20 milhas por hora que não podem ser superados, pouco mais de 30 km/h. Caso contrário... Multa!

 

6) As crianças com idade inferior a 14 anos obrigatoriamente devem usar capacete.

 

7) No caminho existem serviços públicos e estacionamento para bicicletas. Você vai reconhecê-los pelos símbolos no mapa.

8) Se você quiser desfrutar de alguma área específica do parque, é só você estacionar sua bicicleta e aproveitar o passeio.


O Carnaval de Nova York é realizado na primeira segunda-feira de Setembro. Feliz Labor Day! September 08 2016

Por Maria Grazia De Luca

deluca.marymary@gmail.com

Estamos no fim de semana que é comemorado o Labor Day (A festa do trabalho), a festa pelo dia do trabalho é celebrada pelos americanos na primeira segunda-feira de setembro desde 1882. Se o feriado comemorado dia Primeiro de Maio continua sendo para muitos de nós o ícone do dia dos trabalhadores, e a oportunidade de celebrar a dignidade do trabalho (também como uma forma especial de lembrar as muitas vítimas do trabalho por todo o mundo), aqui em Nova York entre os muitos eventos que acontecem nos dias de hoje, com certeza esse está incluído, ele é chamado por muitos de “the greatest show in the earth”, o New York City Caribbean Parade, conhecido como West Indian Day Parade.
 
Certamente esse é o dia mais esperado pela comunidade caribenha do Brooklyn, que também foi homenageada pelo artista de hip-hop Jay-Z em sua canção "Empire State of Mind" quando ele canta: “Three dice Cee-lee, Three card Monte, Labor Day Parade, rest in pace Bob Marley".

O ponto de encontro da West Indian Parade é o Museu do Brooklyn (200 Eastern Pkwy). A saída está marcada para 11 horas, e o desfile vai passar pelo bairro de Crown Hights em direção ao Grand Army Plaza, onde existe um programa de "Grand Finale" marcada para as seis horas. É claro que você pode escolher um ponto estratégico e assistir apenas um pedaço do desfile, procure se informar sobre as mudanças nos serviços de metrô e ônibus, por causa do grande número de pessoas na área do Brooklyn.

Ano passado resolvi fazer a experiência e participar do Carnaval Caribenho do Brooklyn, aceitei o convite de uma amiga para se juntar a ela e ao seu “boyfriend” jamaicano de assistir esse famoso desfile. Eu pensei que seria também uma oportunidade de ouro para mostrar a minha mãe, que tinha vindo me visitar em Nova York, um evento único, autêntico, além das ruas turísticas da Times Square. E eu não estava errada, o desfile superou as minhas expectativas.
 
A West Indian Parade é uma experiência difícil de descrever em palavras, é necessário experimentar pessoalmente, se deixando levar pela vitalidade irresistível dos povos do Caribe, que sabem como se divertir ao som de tambores e instrumentos musicais tradicionais.

Fui com a minha mãe no ápice do desfile, tocando salsa, calipso, reggae e soca, as mulheres e os homens geralmente bem fortes fisicamente, movimentam seus corpos com força e uma harmonia incrível - eles têm música no sangue - geralmente com vestidos muito coloridos, com grandes plumas que vibram no ar enquanto dançam como se não houvesse amanhã. Isso tudo nos faz lembrar de como é fácil ser feliz e de como devemos valorizar os momentos felizes da nossa vida.
 
No desfile podemos ver as bandeiras de países do Caribe, como Jamaica, Haiti, Trindade e Tobago, Barbados, etc… Eles compartilham o uso do Inglês e do crioulo no idioma. Eu não me lembro de ter visto bandeiras da Republica Dominicana e de Cuba. No final da rua há muita “Street food” caribenha, e muito hambúrguer picante!

A energia do Carnaval Caribenho é incrível, quase que intimidante. Três milhões de pessoas participam desta grande festa, com uma euforia explosiva no Crown Heights no Brooklyn. Eu nunca participei do carnaval brasileiro, no meu imaginário eu sempre cultivei esse evento como uma coisa  incrível, e acredito que com todas as devidas diferenças (com o nível de grandeza redimensionadas aqui em Nova York), os figurinos excêntricos, o desejo de dançar e, especialmente, a energia vibrante da West Indian Carnival do Brooklyn, lembra o que acontece no Rio todo mês de fevereiro.

Essa festa caribenha em Crown Heights de alguma forma começa a fechar o verão de Nova York. Se a energia do Carnaval Caribenho não lhe empolga muito, você pode optar por outros eventos organizados no Labor Day. Você pode optar por passar o dia inteiro em um dos muitos parques nova-iorquinos, o Central Park pode ser a primeira opção, mas também os menos frequentados que ficam ao longo do Rio Hudson (Brooklyn Bridge Park, no Brooklyn ou o Fort Tryon Park, em Uptown), a praia de Coney Island, em Nova York, que tem um parque de diversões a uma curta distância da praia também é um bom destino para os dias menos quentes de setembro (é menos lotado) quando comparado com agosto e julho. Em todos esse lugares é possível ver um lindo por do sol, com todas as cores do mês de Setembro.

O Washington Square Park, em Greenwich Village, por outro lado, pode ser um destino para quem gosta de artesanato, fotografia, esculturas e outras obras de artistas independentes, que na maioria dos casos são estudantes da Universidade de Nova York (NYU), que fica localizada nessa região.

Muitos nova-iorquinos estão fora da cidade no último fim de semana de verão, deixando os visitantes e amantes da Big Apple a chance de torná-la “nossa”, pelo menos por um dia, no Labor Day, que se despede simbolicamente do verão, e marca um novo período de preparação para o outono.


As luzes de Nova York capturadas por Sonya Sklaroff June 21 2016

Por: Mariagrazia De Luca

deluca.marymary@gmail.com

No saguão do luxuoso hotel francês Sofitel, localizado entre a Times Square e a Grand Central Station, tenho um compromisso com a pintora Sonya Sklaroff, que terei a honra de entrevistar para vocês leitores do Minha Viagem a Nova York.

As paredes do hall do hotel já estão preparadas para receber seus quadros incríveis. Seu tema é por excelência a cidade de Nova York.

Os quadros de Sonya retratam Nova York, mas não a cidade que vemos nos cartões postais ou nas fotos que estamos acostumados a ver. Ela retrata especialmente os momentos fugazes de Nova York, uma cidade com tal velocidade, que às vezes é difícil perceber detalhes, como a luz rosa ao anoitecer no fundo das Water Towers, ou o brilho da neve em uma das muitas ruas do centro de Manhattan. Da mesma forma, os rostos fugazes dos pedestres atravessando uma rua ou avenida em um dos muitos dias de chuva da cidade, e Coney Island, com todos os seus jogos de luzes em seus brinquedos eletrônicos.

Quando uma jovem, vestida de forma muito elegante, vem até mim sorrindo e estende a mão, eu logo lotei, essa é Sonya Skalaroff, sem pensar muito, eu a agradeço, "Obrigado, suas pinturas realmente me tocaram!"

Caminhando pelo lobby do Sofitel, foi como se eu estivesse vendo Nova York pela primeira vez de novo, rodeado pelas paisagens nova-iorquinas de Sonya.

“Como você pode ver, eu pinto Nova York, mas a Nova York que eu amo é que a mais antiga uma que as pessoas tendem a não valorizar mais.” “Por exemplo, neste quadro, podemos ver o Empire State Building ao fundo, em segundo plano, você pode reconhecer todos os edifícios famosos, mas eles não os protagonistas da cidade". 

Os verdadeiros protagonistas nas fotos de Sonya são as luzes, cores, emoções e sentimentos. "Você pode ver uma mulher caminhando em direção ao oeste na Houston Street, com o vestido que se move pela brisa.”

Sonya também se mostra muito interessada no tempo. "Em minhas pinturas existem guarda-chuvas realmente molhados em dias de chuva. O clima interfere no humor, mas também nas cores, dependendo da hora do dia. Por exemplo, nesta pintura podemos ver as Water Towers contra um céu dourado de um final de tarde".

Sonya me convidou para acompanhá-la em uma “excursão” pelo hall do Sofitel, (que honra!) Ela será minha guia. Paramos na frente de uma pintura que descreve a festa de San Gennaro realizada todo mês de setembro na Little Italy.

"Você já esteve na festa de San Gennaro?" Sonya me perguntou: "É muito engraçado! Jogos, comidas deliciosas e enfeites maravilhosos". Quando perguntei como ela escolhia os temas de suas pinturas, Sonya confessou que “achava” um tema instantaneamente ao caminhar pelas ruas de Nova York. "Por exemplo, eu decidi retratar esse momento da festa de San Gennaro, em uma tarde do outono por causa das luzes: Esse é o momento em que as luzes avermelhadas das decorações começam a se juntar com a luz dourada do céu."

Sonya então acabou confessando o seu amor pela Itália. "Eu estudei em Roma por um ano e esse período foi fundamental na minha formação artística.” Durante a sua estada em Roma, Sonya andava acompanhada de um caderno de desenho e, assim, ia capturando e imortalizado a arquitetura, o céu, e as pessoas em cafés e nas praças da cidade. "Na Itália, eu descobri a luz dourada do fim de tarde, e ainda carrego isso sempre comigo, há 25 anos, desde a minha estadia em Roma, até hoje".

Indo de quadro em quadro, percebo como o céu é lindo! E como é difícil ver entre os arranha-céus de Nova York, que é a parte protagonista das fotos de Sonya.

"Eu amo as paisagens, mas também os momentos íntimos". Estamos nos aproximando de uma pintura que retrata uma loja de conserto de sapatos (shoes repair). "Este é o único retrato do interior de um local exposto no hall do Sofitel”. É o retrato de um sapateiro que tem sua loja perto da minha casa. Por dentro pensei It’s so New York! A Sapataria representada na pintura de Sonya está localizada em Soho, mas poderia estar em qualquer outro bairro de Nova York, especialmente no centro da cidade.

Então uma pintura me chamou a atenção, retratando a Coney Island. "Eu amo a Coney Island", disse Sonya com ênfase. “It’s so much fun!” "Coney Island é a quintessência da Nova York”.

Se eu tivesse que definir o estilo de Sonya com uma palavra, certamente, correndo o risco de simplificar demais, gostaria de usar a palavra "poética". "Eu gosto de jogar com cores e ser ousada! O céu não é apenas azul, também é vermelho ou laranja. De acordo com a cor do céu, tudo se altera, inclusive a cor dos edifícios”.

“Esse quadro indica uma pintura que mostra um dia de neve em qualquer rua da cidade de Nova York”, cujo tema pode ser qualquer canto da cidade, nada de extraordinário à primeira vista. Mas, ao mesmo tempo, é espetacular! Olhe para os detalhes da neve, as pegadas no passeio, as formas das janelas... Isso não é emocionante? “Para mim é, e é isso que eu quero transmitir através de minhas pinturas”.

Sonya define sua relação com Nova York como uma relação que começou há 25 anos. Sonya nasceu e foi criada na Filadélfia, mas cresceu passando quase todos os finais de semana em Nova York, visitando a sua avó. Assim que ele terminou seus estudos na Escola de Design de Rhode Island, "inevitavelmente", ela se mudou para Nova York. "Eu tinha 21 anos...”

Para a pergunta: "Qual é a Nova York, que você mais ama e qual você sente como se fosse a mais sua?" Sonya me respondeu sem hesitação. "Entre a 14th Street e Canal Street. Há 15 anos eu tenho meu estúdio no Soho, e quando eu preciso de inspiração... Saio de casa e dou um passeio ao redor do bairro. Soho tem uma identidade muito forte, não como Midtown e o centro com todos aqueles arranha-céus. Eu gosto da Nova York nostálgica".

A nostalgia confessa Sonya, é pelos pequenos detalhes. "Nos últimos 25 anos tem havido muitas mudanças. Mas os pequenos detalhes que desapareceram são os que mais me fazem falta. Por exemplo, lembrar o velho semáforo “DON’T WALK”? Este é um detalhe que me faz muita falta. Há muitos anos atrás ele foi substituído pelo homem iluminado".

"O que você aconselharia os nossos leitores do Minha Viagem a Nova York, que estão fazendo planos para visitar a cidade? Onde você os aconselhariam a ir?" Perguntei para Sonya.

"Primeiro, descarte os guias. Vá para os barber shops, shoes repair, pequenos restaurantes, em vez de procurar apenas os grandes night club da cidade. Compartilhe com as pessoas locais, converse com elas, essa é a melhor maneira de você ver a verdadeira Nova York. Olhe ao seu redor, veja o que tem acima de você... Repare na arquitetura e visite os museus. Alguns são fabulosos! Fora de Nova York também existem lugares incríveis. O meu favorito é o estado de Maine, onde eu tento ir todo verão para pintar. A paisagem selvagem das rochas e as casas antigas me dão um novo fôlego."

Além de pintura, Sonya dá alguns cursos na New School University. "Eu sempre digo aos meus alunos para nunca dizer não às experiências que surgem em suas vidas, claro sem exageros. Nova York é o lugar ideal para se tornar um artista “well rounded”, um artista e também uma pessoa em sua totalidade. Eu me sinto muito feliz por ser capaz de trabalhar com o que eu amo, e conseguir tocar aqueles que veem as minhas pinturas. E não só aqueles que amam Nova York..."

 

Sonya se despede de mim com um abraço e vai em direção a Grand Central. Eu vou para o outro lado, pegar o trem 1, que passa na Times Square. Vou observando a Nova York que Sonya pinta em seus quadros, que às vezes eu não vejo por causa dos meus muitos compromissos e pensamentos.

"Obrigado a Sonya, por me fazer ver a verdadeira Nova York."

 

As próximas exposições de Sonya:

Galerie Next, Toulouse (França), Novembro de 2016

Galerie Anagama, Versailles (França), Setembro de 2017

Air France First Class Lounge no aeroporto JFK (Nova York). Atualmente esta no aeroporto até Outubro de 2016.

 

Página web: http://www.sonyasklaroff.com

 

 

 


Cem coisas que eu amo em Nova York May 19 2016

  •  O sol que nasce de repente.
  • A neve.
  • Um café quente em um bar no Brooklyn.
  • O labirinto das ruas da Times Square.
  • Sair às 3 da manhã e encontrar o supermercado aberto.
  • As pessoas cantando nas ruas.
  • Observar o topo do Empire.
  • Atravessar a Ponte do Brooklyn (ou Manhattan) em um táxi à noite.
  • Almoçar no Bryant Park.
  • Assistir um filme nos cinemas montado nos parques no verão.
  • Tomar um Martini em um terraço e não se preocupar com mais nada.
  • Tomar uma cerveja no Mcsorely’s Old Ale House, pub mais antigo de Nova York.
  • Fazer um jantar romântico no Tao Downtown.
  • Andar de bicicleta no Central Park.
  • Fazer um piquenique no Central Park.
  • Visitar o MoMA.
  • Comer um bagel com cream cheese no café da manhã.
  • Comer um donutno Dunkin 'Donuts.
  • Comer um cachorro-quente na rua.
  • Procurar as últimas notícias sobre os novos hambúrgueres nova-iorquinos.
  • Visitar a Frick Collection.
  • Tomar um Martini em um bar secreto.
  • Caminhar pelo High Line no verão.
  • Comer a lagosta do Lobster Palace, no interior do Chelsea Market.
  • Comer os peixes do bairro grego de Astoria.
  • O Sushi do East Village.
  • As pessoas que não desistem de seus sonhos.
  • A primeira vez na Times Square, quando você deslumbrar com todas as luzes.
  • O silêncio que a neve traz.
  • A linhaL do metrô anoite.
  • A linha J quando vamos do Brooklyn para Manhattan.
  • O gospel doHarlem.
  • Encontrar com amigos depois do trabalho.
  • Participar de uma conferência na casa ZerrilliMarimo.
  • As Pizzas itália-Americanas.
  • O Brooklyn e seus segredos.
  • As caixas d’águas enormes dos grandes edifícios.
  • As escadas de emergência.
  • Os bombeiros e suas incríveis sirenes.
  • A força dosgrafites nas ruas.
  • As galerias do Chelsea.
  • Os músicos que tocam na Washington Square.
  • As noites de Nova York que nunca terminam.
  • Union Square e seu mercado orgânico.
  • O memorial do 11 de Setembro.
  • Observar a Estátua da Liberdade à noite.
  • Comer um hambúrguer que não cabe em sua mão.
  • As batatas fritas do Pommes Frites.
  • Patinar no Rockefeller Center.
  • O espetáculo das Rockettes no Natal.
  • A Opera do Met.
  • Assistir um jogo de basquete no Barclays Center.
  • Passear por Williamsburg.
  • A vista do Brooklyn Heights.
  • A beleza do East River.
  • A galeria egípcia do Met.
  • A grandiosidade do Brooklyn Museum.
  • Um cupcake no final da tarde.
  • Tomar um chá no Plaza Hotel.
  • A vida noturna do Meatpacking District.
  • Os shows no Madison Square Garden.
  • Ir a um jogo de hóquei.
  • Os incríveis shows da Broadway.
  • A biblioteca de Strand.
  • As tradicionais casas do Upper West Side.
  • As mesas de pingpong do Fat Cat.
  • Me perder no Greenwich Village.
  • Os muitos bairros ítalo-americanos.
  • A Ellis Island e o Museu dosimigrantes.
  • O touro de Wall Street.
  • Os biscoitos e pãesrecém-assados às 3 da manhã.
  • O cappuccino gigante.
  • Aqueles que dançam Hip Hop.
  • Os dinossauros do Museu de História Natural.
  • Aa belezas do Museu Guggenheim.
  • Uma caminhada pela Artur Avenueno Bronx.
  • A Kat'z Delicatessen.
  • Os caminhões que fecham a rua para gravar um filme.
  • Os restaurantes do Hell’sKitchen.
  • O rockouvido no Lower East Side.
  • As patas de caranguejo do RedHook.
  • O arroz com frango.
  • O ramen do St. Mark’s Place.
  • Pegar a Balsa para chegar até o Staten Island.
  • O aspecto um pouco abandonado daConey Island.
  • A sensação que alguns dias que nunca vão acabar.
  • As pizzasde um dólar.
  • Os Jovens artistas do Bushswich.
  • Salsa dançada no Don Coqui no Queens.
  • Os mistérios de Flushing.
  • O teleférico de Roosevelt Island.
  • Os doces vendidos Korea Town.
  • O Brunch do Miss Favela.
  • Os pequenos parques com fontes escondidas.
  • A vista Top of the Rock.
  • O mistério em torno do bar Pleasedon’ttell.
  • O show Beauty & Essex.
  • Os drinks do Dead Rabbit.