Notizie, curiosita',aneddoti, e fantasie su New York – tagged "onde comer" – Minha Viagem a Nova York Google+

Autenticamente Nova York

The Wall Street Bull: Histórias e Curiosidades May 03 2019

Um dos símbolos do distrito financeiro de Nova York é o famoso Charging Bull, o Wall Street Bull, também conhecido como Wall Street Bull ou Bowling Green Bull. Esta escultura de bronze goza de grande fama não só entre os nova-iorquinos, mas também entre os turistas que, durante a sua estada na Big Apple, não perdem a oportunidade de vê-la ao vivo.

Há tantas pessoas que, todos os dias, caminham pelo distrito financeiro de Nova York em busca dessa escultura na forma de Touro, para poder tocá-la, pois é dito que isso traz tanta sorte! Claro, há muitas fotos e selfies para capturar o momento.


Não surpreendentemente, o Touro de Carga, um verdadeiro símbolo de Wall Street, é uma das atrações mais fotografadas da grande maçã. Por esta razão, esteja preparado para enfrentar a fila para poder levar as suas fotos de lembrança!

Todo mundo sabe a crença de que tocar no Taurus traz boa sorte, mas poucos estão cientes da extraordinária história que está por trás desta escultura de bronze. Neste artigo, além de dar a você todas as informações para alcançá-lo, falarei sobre isso.

História

Tudo começou na noite de 15 de dezembro de 1989. Foi nessa noite que Arturo di Modica, um escultor italiano de origem siciliana, posicionou, com a ajuda de amigos, a escultura da Bull bem em frente ao prédio da Bolsa de Valores. Na manhã seguinte, o espanto dos corretores e residentes foi verdadeiramente notável! Alguns achavam que era uma piada, outros, em vez disso, achavam que era um trabalho encomendado pelas instituições. Ninguém estava certo ...

Na realidade, a escultura do Touro, com um peso de 3,2 toneladas e com suas dimensões consideráveis ​​(4 metros de altura e 5 metros de comprimento), tinha sido colocada de livre iniciativa pelo artista italiano. Portanto, sem permissão, Arturo di Modica decidiu colocar a estátua no coração de Wall Street, aproveitando o momento em que a patrulha de guarda estava distante.

A escolha do Touro de Carga, que significa literalmente touro para atacar, não foi de todo aleatória.

No mercado de ações, o touro simboliza a fase de subida dos mercados, ao contrário do urso que representa a fase de baixa. Portanto, o touro imortalizado em uma posição de ataque queria simbolizar a ascensão dos mercados e, isso, teve suas razões mais profundas. De fato, após a quebra do mercado de ações em 1987, Arturo di Modica pretendia enviar uma mensagem de esperança e força a todos aqueles que haviam sido afetados pelo desastre financeiro.

Este episódio afetou profundamente a opinião pública e a fama do italiano Arturo di Modica cresceu dramaticamente. Sua história como artista chegou a Nova York em busca de fortuna e para se realizar, através da abertura de seu próprio estúdio, foi a história da redenção que reuniu tantas pessoas que encontraram sua fortuna na América. Esta obra de arte inspirou confiança e esperança no futuro da economia.

Por todas essas razões, quando os corretores da bolsa ordenaram a remoção da escultura, logo chegaram as reações dissidentes das pessoas. A essa altura, o Bull cobrando tinha entrado no coração dos americanos ...


Foi, portanto, decidido mudar o trabalho perto do parque Bowling Green, o parque mais antigo de Nova York, a poucos passos de Wall Street e do começo da Broadway Street.

Onde é

Como mencionado acima, o Touro de Carga está localizado no pequeno quadrado que faz parte do Parque Bowling Green. O endereço a ser digitado no Google Maps é o seguinte: Nova York, 10004, Estados Unidos.

Com o metrô é possível chegar com as linhas 4 e 5 (parada Bowling Green) ou com as linhas 2 e 3 (parada Wall Street).

Curiosidade

  • O artista siciliano apoiou pessoalmente o custo de criar a escultura. Este último é de cerca de US $ 360.000.
  • O trabalho foi colocado ilegalmente em frente ao prédio da bolsa de valores em pouco tempo. Demorou cerca de 8 minutos para vigilância para patrulhar a área.
  • Acredita-se que tocar os chifres, nariz e testículos do Touro de Carga traz boa sorte.
  • Em 2004, Arturo di Modica colocou à venda a escultura Toro a partir de 5 milhões de dólares. Especificando a obrigação para o comprador de não mover o trabalho.
  • Hoje, o artista siciliano é um dos escultores mais famosos do mundo.

O Jardim Botânico do Brooklyn April 29 2019

Nova York não é feita apenas arranha-céu, mas é uma metrópole cheia de espaços verdes que permitem que tanto os nova-iorquinos quanto os turistas se isolem do frenesi da cidade que nunca dorme e aproveitem momentos de relaxamento e recreação.

Entre esses espaços verdes, um lugar especial é ocupado pelo Jardim Botânico do Brooklyn, no Jardim Botânico do Brooklyn. É uma das principais atrações da Big Apple para aqueles que amam a natureza e estão entre os lugares mais bonitos para visitar durante a primavera de Nova York.


Portanto, se você está em Nova York neste momento, aconselho a não perder a oportunidade de admirar este maravilhoso jardim botânico. Além disso, todos os anos, no final deste mês e início de maio (este ano nos dias 27 e 28 de abril), é realizado o Sakura Blossom Cherry Blossom Festival, que é o festival da flor de cerejeira. Um show único!

Para saber tudo o que você precisa saber sobre o Jardim Botânico do Brooklyn, continue lendo!

História

No século XIX, este parque era apenas um depósito para as cinzas. A decisão de construir um jardim botânico remonta a 1897 e em 1910 o Jardim Botânico do Brooklyn foi oficialmente inaugurado. Inicialmente, o jardim não era tão rico em seções e áreas como hoje; por exemplo, o famoso Jardim Japonês foi concluído mais tarde, bem como uma série de atividades e eventos que tornaram essa atração em Nova York muito popular ao longo do tempo.

Hoje, o Jardim Botânico do Brooklyn ocupa uma área de cerca de 21 hectares e abriga, por dentro, extraordinárias variedades de plantas e flores que dão vida a cenários oníricos! Com mais de 12.000 espécies de plantas, é uma parada imperdível para os amantes da natureza. No site oficial, há uma seção onde você pode ver as plantas com flores do período.

Principais atrações e pontos de interesse

Uma das atrações mais importantes do Jardim Botânico do Brooklyn é o Jardim Japonês. É um jardim de inspiração japonesa com muitas cerejeiras que estão em plena floração na primavera e, portanto, neste momento, elas atingem seu máximo esplendor. Eles completam a paisagem: o pequeno lago, o templo xintoísta, as rochas, as pontes de madeira ... parece ter sido transportado da terra do sol nascente.

Outro ponto de interesse é o Cranford Rose Garden. Este jardim é uma extraordinária explosão de rosas. Pense um pouco: alguns deles foram plantados em 1927! Nesta seção, a floração começa em junho e dura até setembro, dando um cenário fantástico: mais de 1.400 variedades de rosas com cores iridescentes e aromas inebriantes.

O Lily Pool Terrace é muito popular. Para começar você verá as piscinas de nenúfares, plantas aquáticas e plantas carnívoras que povoam esta área do jardim botânico.

Se você visitar o Brooklyn Botanic Garden no outono, não poderá deixar de admirar o Rock Garden: o jardim de pedras cheio de árvores verdes e arbustos floridos.

No inverno, no entanto, a neve torna o jardim botânico ainda mais mágico! E para se aquecer, você pode se refugiar dentro da estufa do Steinhardt Conservatory. Bem aqui, além de plantas tropicais, há uma enorme coleção de bonsai!

Há muitas outras seções e áreas que compõem o Jardim Botânico do Brooklyn. Todos juntos contribuem para tornar este jardim botânico especial em qualquer estação que seja visitada. Além disso, os eventos, organizados periodicamente, não deixam você entediado! Clique aqui para descobrir o que está no cronograma.

Como chegar

O Brooklyn Botanic Garden está localizado no Prospect Park, no coração do Brooklyn e atrás do Brooklyn Museum. O endereço a ser digitado no Google Maps para alcançá-lo é o seguinte: 990 Washington Ave, Brooklyn, NY.

De metro, você pode chegar lá, pegando as linhas B e Q (parada Prospect Park), a linha S (parada do Jardim Botânico) e as linhas 2 e 3 (parada Eastern Parkway-Brooklyn Museum).

Horários e Tickets

Abaixo estão os horários do Jardim Botânico do Brooklyn:

- de março a outubro, de terça a sexta, das 8:00 às 18:00 horas (de abril a setembro, quase toda terça-feira, o jardim fecha às 8 ou 20h30)

Sábado e domingo das 10:00 às 18:00h.

Fechando na segunda-feira (exceto exceções)

- novembro

de terça a sexta-feira das 8:00 às 16:30h.

Sábado e domingo das 10:00 às 16:30h.

fechando na segunda e no dia de ação de graças

de dezembro a fevereiro

de terça a domingo, das 10:00 h às 16:30 h

Fechamento de segunda-feira (exceto exceções)

Fechado no Natal e Ano Novo

Este ano, em 2019, de março a novembro, a entrada do jardim botânico é gratuita todas as sextas-feiras até o meio-dia. Enquanto, de dezembro a fevereiro, o acesso será gratuito nos dias de semana. Em geral, o preço do ingresso para adultos é de $ 15, enquanto que para os idosos (> 65 anos) e para os estudantes é de $ 8. Crianças (menores de 12 anos) têm direito a entrada gratuita.

Obviamente, para acesso aos festivais organizados dentro do jardim (por exemplo, o de Sakura Matsuri nos dias 27 e 28 de abril) é necessário adquirir outro ingresso. Aqui você pode aprender mais com outras informações.

Além disso, o Brooklyn Botanic Garden faz parte do circuito de New York Pass, que permite a entrada com desconto em muitas atrações de Nova York. Clique aqui para comprá-lo

Outra possibilidade é o chamado Bilhete de Arte e Jardim, que permite a você visitar tanto o jardim botânico quanto o Museu do Brooklyn nas proximidades, com um único bilhete no mesmo dia.

 


O Jardim Botânico do Brooklyn April 29 2019

Nova York não é feita apenas arranha-céu, mas é uma metrópole cheia de espaços verdes que permitem que tanto os nova-iorquinos quanto os turistas se isolem do frenesi da cidade que nunca dorme e aproveitem momentos de relaxamento e recreação.

Entre esses espaços verdes, um lugar especial é ocupado pelo Jardim Botânico do Brooklyn, no Jardim Botânico do Brooklyn. É uma das principais atrações da Big Apple para aqueles que amam a natureza e estão entre os lugares mais bonitos para visitar durante a primavera de Nova York.


Portanto, se você está em Nova York neste momento, aconselho a não perder a oportunidade de admirar este maravilhoso jardim botânico. Além disso, todos os anos, no final deste mês e início de maio (este ano nos dias 27 e 28 de abril), é realizado o Sakura Blossom Cherry Blossom Festival, que é o festival da flor de cerejeira. Um show único!

Para saber tudo o que você precisa saber sobre o Jardim Botânico do Brooklyn, continue lendo!

História

No século XIX, este parque era apenas um depósito para as cinzas. A decisão de construir um jardim botânico remonta a 1897 e em 1910 o Jardim Botânico do Brooklyn foi oficialmente inaugurado. Inicialmente, o jardim não era tão rico em seções e áreas como hoje; por exemplo, o famoso Jardim Japonês foi concluído mais tarde, bem como uma série de atividades e eventos que tornaram essa atração em Nova York muito popular ao longo do tempo.

Hoje, o Jardim Botânico do Brooklyn ocupa uma área de cerca de 21 hectares e abriga, por dentro, extraordinárias variedades de plantas e flores que dão vida a cenários oníricos! Com mais de 12.000 espécies de plantas, é uma parada imperdível para os amantes da natureza. No site oficial, há uma seção onde você pode ver as plantas com flores do período.

Principais atrações e pontos de interesse

Uma das atrações mais importantes do Jardim Botânico do Brooklyn é o Jardim Japonês. É um jardim de inspiração japonesa com muitas cerejeiras que estão em plena floração na primavera e, portanto, neste momento, elas atingem seu máximo esplendor. Eles completam a paisagem: o pequeno lago, o templo xintoísta, as rochas, as pontes de madeira ... parece ter sido transportado da terra do sol nascente.

Outro ponto de interesse é o Cranford Rose Garden. Este jardim é uma extraordinária explosão de rosas. Pense um pouco: alguns deles foram plantados em 1927! Nesta seção, a floração começa em junho e dura até setembro, dando um cenário fantástico: mais de 1.400 variedades de rosas com cores iridescentes e aromas inebriantes.

O Lily Pool Terrace é muito popular. Para começar você verá as piscinas de nenúfares, plantas aquáticas e plantas carnívoras que povoam esta área do jardim botânico.

Se você visitar o Brooklyn Botanic Garden no outono, não poderá deixar de admirar o Rock Garden: o jardim de pedras cheio de árvores verdes e arbustos floridos.

No inverno, no entanto, a neve torna o jardim botânico ainda mais mágico! E para se aquecer, você pode se refugiar dentro da estufa do Steinhardt Conservatory. Bem aqui, além de plantas tropicais, há uma enorme coleção de bonsai!

Há muitas outras seções e áreas que compõem o Jardim Botânico do Brooklyn. Todos juntos contribuem para tornar este jardim botânico especial em qualquer estação que seja visitada. Além disso, os eventos, organizados periodicamente, não deixam você entediado! Clique aqui para descobrir o que está no cronograma.

Como chegar

O Brooklyn Botanic Garden está localizado no Prospect Park, no coração do Brooklyn e atrás do Brooklyn Museum. O endereço a ser digitado no Google Maps para alcançá-lo é o seguinte: 990 Washington Ave, Brooklyn, NY.

De metro, você pode chegar lá, pegando as linhas B e Q (parada Prospect Park), a linha S (parada do Jardim Botânico) e as linhas 2 e 3 (parada Eastern Parkway-Brooklyn Museum).

Horários e Tickets

Abaixo estão os horários do Jardim Botânico do Brooklyn:

- de março a outubro, de terça a sexta, das 8:00 às 18:00 horas (de abril a setembro, quase toda terça-feira, o jardim fecha às 8 ou 20h30)

Sábado e domingo das 10:00 às 18:00h.

Fechando na segunda-feira (exceto exceções)

- novembro

de terça a sexta-feira das 8:00 às 16:30h.

Sábado e domingo das 10:00 às 16:30h.

fechando na segunda e no dia de ação de graças

de dezembro a fevereiro

de terça a domingo, das 10:00 h às 16:30 h

Fechamento de segunda-feira (exceto exceções)

Fechado no Natal e Ano Novo

Este ano, em 2019, de março a novembro, a entrada do jardim botânico é gratuita todas as sextas-feiras até o meio-dia. Enquanto, de dezembro a fevereiro, o acesso será gratuito nos dias de semana. Em geral, o preço do ingresso para adultos é de $ 15, enquanto que para os idosos (> 65 anos) e para os estudantes é de $ 8. Crianças (menores de 12 anos) têm direito a entrada gratuita.

Obviamente, para acesso aos festivais organizados dentro do jardim (por exemplo, o de Sakura Matsuri nos dias 27 e 28 de abril) é necessário adquirir outro ingresso. Aqui você pode aprender mais com outras informações.

Além disso, o Brooklyn Botanic Garden faz parte do circuito de New York Pass, que permite a entrada com desconto em muitas atrações de Nova York. Clique aqui para comprá-lo

Outra possibilidade é o chamado Bilhete de Arte e Jardim, que permite a você visitar tanto o jardim botânico quanto o Museu do Brooklyn nas proximidades, com um único bilhete no mesmo dia.

 


Plano de smartphone exclusivos para turistas! 30 dólares com internet ilimitada por três semanas. March 18 2018



Pessoal, esse é o link onde vocês vão poder encontrar mais informações sobre esse plano:  https://prepaid-phones.t-mobile.com/prepaid-international-tourist-plan 

Esse é o plano ideal para todo turista que chega em Nova York. Apenas 30 dólares, e 3 semanas de internet ilimitada, com velocidade 4G LTE, ou seja, alta velocidade!

Você consegue aproveitar a velocidade máxima dessa internet até chegar ao consumo de 2GB, depois ela perderá força. Mas posso garantir que ainda sim será uma velocidade alta até para os padrões americanos.

As chamadas ilimitadas nos Estados Unidos estão incluídas no plano (mas não acho que você precisará) e mensagens de texto ilimitadas estão sempre disponíveis nos Estados Unidos.

Visite a loja da T-Mobile e garanta o seu plano!


O Carnaval de Nova York é realizado na primeira segunda-feira de Setembro. Feliz Labor Day! September 08 2016

Por Maria Grazia De Luca

deluca.marymary@gmail.com

Estamos no fim de semana que é comemorado o Labor Day (A festa do trabalho), a festa pelo dia do trabalho é celebrada pelos americanos na primeira segunda-feira de setembro desde 1882. Se o feriado comemorado dia Primeiro de Maio continua sendo para muitos de nós o ícone do dia dos trabalhadores, e a oportunidade de celebrar a dignidade do trabalho (também como uma forma especial de lembrar as muitas vítimas do trabalho por todo o mundo), aqui em Nova York entre os muitos eventos que acontecem nos dias de hoje, com certeza esse está incluído, ele é chamado por muitos de “the greatest show in the earth”, o New York City Caribbean Parade, conhecido como West Indian Day Parade.
 
Certamente esse é o dia mais esperado pela comunidade caribenha do Brooklyn, que também foi homenageada pelo artista de hip-hop Jay-Z em sua canção "Empire State of Mind" quando ele canta: “Three dice Cee-lee, Three card Monte, Labor Day Parade, rest in pace Bob Marley".

O ponto de encontro da West Indian Parade é o Museu do Brooklyn (200 Eastern Pkwy). A saída está marcada para 11 horas, e o desfile vai passar pelo bairro de Crown Hights em direção ao Grand Army Plaza, onde existe um programa de "Grand Finale" marcada para as seis horas. É claro que você pode escolher um ponto estratégico e assistir apenas um pedaço do desfile, procure se informar sobre as mudanças nos serviços de metrô e ônibus, por causa do grande número de pessoas na área do Brooklyn.

Ano passado resolvi fazer a experiência e participar do Carnaval Caribenho do Brooklyn, aceitei o convite de uma amiga para se juntar a ela e ao seu “boyfriend” jamaicano de assistir esse famoso desfile. Eu pensei que seria também uma oportunidade de ouro para mostrar a minha mãe, que tinha vindo me visitar em Nova York, um evento único, autêntico, além das ruas turísticas da Times Square. E eu não estava errada, o desfile superou as minhas expectativas.
 
A West Indian Parade é uma experiência difícil de descrever em palavras, é necessário experimentar pessoalmente, se deixando levar pela vitalidade irresistível dos povos do Caribe, que sabem como se divertir ao som de tambores e instrumentos musicais tradicionais.

Fui com a minha mãe no ápice do desfile, tocando salsa, calipso, reggae e soca, as mulheres e os homens geralmente bem fortes fisicamente, movimentam seus corpos com força e uma harmonia incrível - eles têm música no sangue - geralmente com vestidos muito coloridos, com grandes plumas que vibram no ar enquanto dançam como se não houvesse amanhã. Isso tudo nos faz lembrar de como é fácil ser feliz e de como devemos valorizar os momentos felizes da nossa vida.
 
No desfile podemos ver as bandeiras de países do Caribe, como Jamaica, Haiti, Trindade e Tobago, Barbados, etc… Eles compartilham o uso do Inglês e do crioulo no idioma. Eu não me lembro de ter visto bandeiras da Republica Dominicana e de Cuba. No final da rua há muita “Street food” caribenha, e muito hambúrguer picante!

A energia do Carnaval Caribenho é incrível, quase que intimidante. Três milhões de pessoas participam desta grande festa, com uma euforia explosiva no Crown Heights no Brooklyn. Eu nunca participei do carnaval brasileiro, no meu imaginário eu sempre cultivei esse evento como uma coisa  incrível, e acredito que com todas as devidas diferenças (com o nível de grandeza redimensionadas aqui em Nova York), os figurinos excêntricos, o desejo de dançar e, especialmente, a energia vibrante da West Indian Carnival do Brooklyn, lembra o que acontece no Rio todo mês de fevereiro.

Essa festa caribenha em Crown Heights de alguma forma começa a fechar o verão de Nova York. Se a energia do Carnaval Caribenho não lhe empolga muito, você pode optar por outros eventos organizados no Labor Day. Você pode optar por passar o dia inteiro em um dos muitos parques nova-iorquinos, o Central Park pode ser a primeira opção, mas também os menos frequentados que ficam ao longo do Rio Hudson (Brooklyn Bridge Park, no Brooklyn ou o Fort Tryon Park, em Uptown), a praia de Coney Island, em Nova York, que tem um parque de diversões a uma curta distância da praia também é um bom destino para os dias menos quentes de setembro (é menos lotado) quando comparado com agosto e julho. Em todos esse lugares é possível ver um lindo por do sol, com todas as cores do mês de Setembro.

O Washington Square Park, em Greenwich Village, por outro lado, pode ser um destino para quem gosta de artesanato, fotografia, esculturas e outras obras de artistas independentes, que na maioria dos casos são estudantes da Universidade de Nova York (NYU), que fica localizada nessa região.

Muitos nova-iorquinos estão fora da cidade no último fim de semana de verão, deixando os visitantes e amantes da Big Apple a chance de torná-la “nossa”, pelo menos por um dia, no Labor Day, que se despede simbolicamente do verão, e marca um novo período de preparação para o outono.


Os estranhos e desconhecidos museus de Nova York July 12 2016

Por: Mariagrazia De Luca

deluca.marymary@gmail.com

Nem todo mundo sabe que Nova York está cheia de museums quase desconhecidos, e eles reservam uma grande surpresa para nós. Alguns são estranhos, como o Museu do elevador, outros intrigantes como o Museu do Sexo. Outros, como o Museu do Gangster, são perfeitos para aprender um pouco mais sobre a história dos EUA.

Abaixo, você vai encontrar uma contra-lista de museus em Nova York, que tem como objetivo preservar e dar espaço a uma cultura menos mainstream, mas que expressa com igual importância à história de Nova York.

 

Museum of the American Gangster

Onde: 80 St. Marks Pl.

As paredes de todos os ambientes que compõem o Museum of the American Gangster, são repletas de fotos de gangsters como Frank Castello e Meyer Lansky, jornais antigos que narram acontecimentos cruciais com mafiosos como personagens no período da Lei Seca, os projéteis usados durante os massacres cometidos por esses bandidos, e alguns exemplares dos ternos vestidos por Al Capone com todo o estilo Chicago. O museu é acessado passando por um speakeasy (que era um bar onde bebidas alcoólicas eram vendidas ilegalmente durante o tempo da Lei Seca). O museu é pequeno, mas possui muitos objetos e histórias. Uma história que também tem parte importante no desenvolvimento de Nova York.

 

Morbid Anatomy Museum

Onde: 424 32nd Ave, Brooklyn

A morte é o tema do non-profit Morbid Anatomy Museum. Na verdade, a temática é até comum, mas também é fascinante! Se você observa do ponto de vista literário, científico e esotérico, este museu tratar de um tema bem desconfortável. Os objetos encontrados no museu são de vários tipos, esculturas retratando a morte, livros relacionados ao tema, crânios, bichos de pelúcia, moldes de corpos e órgãos humanos, símbolos religiosos, etc. Na biblioteca do Museu frequentemente tem palestras sobre o tema da morte em relação à natureza, anatomia, medicina, etc., onde escritores, professores, artistas e intelectuais estão envolvidos na organização.

Até a morte, que em certo sentido é o “dark side” da vida, tem sua beleza, tem o seu fascínio e mistério. Esta é a impressão que se tem depois de visitar o Morbid Anatomy Museum.

Sitehttp://morbidanatomymuseum.org/exhibitions/

 

Mmuseumm 1, 2

Onde: 4 Cortland Alley

Entre os objetos expostos no Mmuseumm 1 talvez o menor museu de Nova York, localizado no interior de um elevador em desuso no coração de Chinatown, um em especial me chamou a atenção: Uma pasta de dentes Colgate, um pente, uma escova de dentes vermelha, um perfume e um desodorizante. Itens de uso pessoal, perdidos no deserto do Arizona, na fronteira entre o México e os Estados Unidos, em 2016.

Então eu percebi que o Mmuseumm 1 que foi definido como "maravilhoso" pelo The New Yorker, é um lugar único no mundo, uma espécie de microcosmo, onde somos convidados a refletir sobre “what’s going on in the world”. Os objetos estão lá, em sua presença, como um fato irrefutável, como a escova de dente perdida no deserto que de alguma forma se tornou um objeto de arte que interroga o espectador. Olha, este é também o mundo em que vivemos.

Mmuseumm 2 está localizado ao lado do Mmuseum 1. Este museu, no entanto, é uma miniatura da cidade síria de Aleppo, uma obra feita por um menino sírio de 14 anos de idade. O jovem artista define a obra como “Syria of Tomorrow”. É uma cidade utópica, anos-luz de distância daquilo que hoje esta sendo destruída pela guerra.

 

The Skyscraper Museum

Onde: 39 Battery Park

Por acaso Manhattan não é um museu plein air de arranha-céus? Basta caminhar pelo distrito financeiro que você irá conseguir admirar arranha-céus de todos os tipos: uma floresta real e verdadeira de cimento e vidro!

Se você é apaixonado por arranha-céus, não pode deixar de visitar o The Skyscraper Museum: Lá você vai obter todas as informações históricas, arquitetônicas e tecnológicas relacionadas aos arranha-céus de Nova York. É fascinante ver como evoluíram os arranha-céus de Nova York no decorrer desses últimos anos. Se você não estiver com tempo para visitar o museu, eu recomendo fazer uma visita ao seu site. Ele oferece um catálogo de todos os arranha-céus de Nova York, descrevendo todas as suas características: Peso, altura, número de pisos, ano de conclusão e etc. Embora à primeira vista possa não parecer, você sabia que muito dos arranha-céus que vemos quando andamos por Nova York ainda não foram definitivamente acabados?

O museu abriga também amostras interessantes dedicadas ao assunto. Até setembro de 2016 a exposição WOHA rethink cities for the age of global city, com projetos e amostras dos arquitetos Wong Mun Summ e Richard Hassell que relacionam os arranha-céus projetados para combater as alterações climáticas e a densidade populacional: Torres enormes entre a natureza “sky garden”com parques elevados.

Site: http://www.mmuseumm.com/contact/

 

The City Reliquary 

Onde: 370 Metropolitan Avenue, Brooklyn

É um verdadeiro e autêntico museu cívico, (non profit) sem fins lucrativos, que originalmente era simplesmente a janela do apartamento de um homem, chamado Dave Herman. Dave tinha transformado sua janela em uma vitrine, expondo objetos para todos pudessem ver. A partir da janela do apartamento de Dave Herman, em 2006, o lugar se tornou um museu cívico, tornando-se maior e preenchido com uma variedade incrível de objetos. O presente e o passado de Nova York estão misturados no The City Reliquary... Um lugar rico em histórias Nova-iorquinas!

É um verdadeiro e autêntico museu cívico, (non profit) sem fins lucrativos, que originalmente era simplesmente a janela do apartamento de um homem, chamado Dave Herman. Dave tinha transformado sua janela em uma vitrine, expondo objetos para todos pudessem ver. Revistas antigas de moda, cartões de Nova York, estátuas da liberdade, modelos de arranha-céus, artesanato de vários tipos, bonecos de jogadores do Giants, bonecas africanas... Objetos que contam a história de Nova York. A partir da janela do apartamento de Dave Herman, em 2006, o lugar se tornou um museu cívico, tornando-se maior e preenchido com uma variedade incrível de objetos. O presente e o passado de Nova York estão misturados no The City Reliquary... Um lugar rico em histórias Nova-iorquinas!

 

O Museu do Sexo

Onde: 233 5th Avenue

Daniel Gluck foi o fundador do museu dedicado à história, evolução e significado da cultura e sexualidade humana, inicialmente ele teve algumas dificuldades impostas do governo para realizar o seu projeto.Na ideia original de Gluck, o museu deveria ser uma instituição sem fins lucrativos, mas isso vetado. Eles responderam: O museu é uma paródia da pornografia, não pode ser considerado um museu (non-profit)sem fins lucrativos!

A coleção permanente do museu possui mais de 15.000 objetos, incluindo fotografias, vestidos, ternos, objetos de arte, revistas pornográficas vintage e etc. O museu abriga exposições sempre muito originais, abrindo a mente para formas interessantes de ver a sexualidade humana e animal. The sex lives of Animals, é caracterizada por esculturas de animais em relacionamentos amorosos, todas as obras feitas pelo artista Rune Olsen. Parece que a reprodução não é o único propósito do sexo entre os animais, como nós, seres humanos, animais gostam de trocar beijos e carícias. É também muito interessante a exposição Hardcore, century and a half of obsene imagery. Algumas fotografias em exposição vêm de coleções particulares que estavam escondidas por mais de um século... Observando-as podemos ter certeza que os nossos antepassados não eram exatamente santos. Simplesmente, a sexualidade no passado era um tabu, muito porque tinha um difícil acesso, hoje com a internet temos isso em um clique. Entre os objetos expostos temos o guia de bordéis de Nova York, The New York City Brothel Guide, de 1885.

 

Museu do Elevador

Onde: 43-39 21st street, Long Island City

Fundado pelo “The Elevator Historical society”, o Museu do Elevador é um dos mais originais do mundo, e certamente único dentro do seu género. Escrevendo esse artigo, eu aprendi que o museu está fechado há algumas semanas (espero que em breve ele seja reaberto novamente). Na verdade, é difícil para um pequeno museu como este conseguir financiamento que lhe permita sobreviver, o fundador, um homem apaixonado por qualquer coisa que tenha a ver com elevadores, sequer cobra taxa de entrada em seu museu.

Botões antigos de elevadores, publicidades expostas em elevadores, filmes de VHS com o título de “the elevator”ou a versão britânica “the lift”, pedaços de um elevador da Macy’s,  uniformes de trabalhadores de manutenção de elevadores... Tudo isso pode ser encontrado no Museu. O elevador não é um objeto tão óbvio, como muitos devem imaginar, eles são essenciais nos arranha-céus de Manhattan. Como poderíamos subir até o 86º andar do Empire sem o elevador?


Aventuras Culinárias em Nova York (segunda parte) July 09 2016

Por: Mariagrazia De Luca

deluca.marymary@gmail.com

Você pode conferir a primeira parte aqui 

Sua Urban Explorer está pronta para começar uma nova aventura sobre duas rodas, para encontrar experiências culinárias únicas aqui na Big Apple: Restaurantes e pratos excêntricos que não são encontrados em outros lugares. Vocês que são leitores do Minha Viagem a Nova York, não deixem de entrar em contato com a gente, para dar sugestões de novos tópicos e aventuras em Nova York.

 

Ninja Restaurant

Onde: 80 Hudson St.

Entrar no Ninja Restaurant é como de repente, estar dentro de uma vila japonesa. Cada mesa está inserida em uma espécie de nicho, parecido com o interior de uma casa japonesa com portas de correr separando os ambientes. Uma vez dentro do restaurante, parece que você nem está mais na cidade de Nova York. Os garçons são todos guerreiros ninja! Eu visitei o restaurante com ele já quase fechando, não havia muitos clientes mais, e quase todos os ninjas ficaram por minha conta. Um deles puxou uma faca e com um grito de guerra a colocou no meu braço, apesar do susto e dos movimentos do ninja-garçom... A faca era claramente falsa e todos gargalharam no restaurante.

A comida do Ninja Restaurant não tem nada de especial, quando comparado com outros restaurantes japoneses de Nova York. O que o torna único são seus garçons-ninjas.

No preparo de sua comida, eles fazem movimentos de guerreiros japoneses que só havia visto em filmes ninjas. Eles usam Katane, Shuriken (estrelas com pontas afiadas que os ninjas usam para atacar seus inimigos), e vários punhais.

Os preços não são altos e os nomes dos pratos são evocativos. O Box Mystery (10 dólares), feito com edamame, o antepasto mais famoso da culinária japonesa, é perfeito como entrada. Se você estiver em dois, uma boa opção de prato principal (main course) é o Katana (50 dólares), bistec com molho teriyaki, arroz frito caranguejo de rei do Alaska, servido com suco de tomate e manga, coberto com molho branco e queijo derretido. Para a sobremesa, prove o mousse de chocolate em forma estrela ninja o Ninja Star.

 

Dirt Candy

Onde: 86 Allen Street, entre Grand e Broom Street.

O Dirt Candy não é apenas um restaurante vegetariano, ele foi pioneiro em uma revolução real na área da restauração dos restaurantes de Nova York. Foi o primeiro restaurante em Nova York, a eliminar a gorjeta obrigatória. No seu menu há uma nota na qual com orgulho o restaurante diz que todos os lucros são repartidos entre os funcionários dos mesmo. Portanto, aqui não precisamos perder tempo fazendo as contas para a ‘tips’, no momento em que for pagar a conta. Os preços não são baixos, mas não também não tem subido justamente por esse motivo.

A chef do Dirt Candy é uma mulher de vinte e poucos anos, que já coleciona prêmios de culinária (como os da Gourmet Magazine e da Village Voice), a Michelin cita esse restaurante há cinco anos consecutivos em seu guia. O CookBook, publicado pelo Dirt Candy, acaba de lançar sua sexta edição.

O Korean Fried Broccoli, certamente esta entre as entradas mais populares do restaurante, a garçonete que me atendeu descreveu para mim vários dos principais pratos do Candy Dirt. O Hot Broccoli (13 dólares) é um verdadeiro cachorro-quente, feito de forma muito autêntica, substituindo o wurstel por brócolos defumado e grelhado. O Hamburguer Carrot (13 dólares) tem com base cenouras, e não deixa nada a desejar a qualquer cheeseburger clássico. Entre as sobremesas 100% vegetarianas, você poderá escolher: Celery Cheesecake roll, Carrot Meringue Pie, Onion Chocolate Tart, Corn Cake, Vegetable Ice Cream Salad (Os preços variam de 10 a 13 dólares).

 

Casa Mezcal

Onde: 86 Orchard Street

Templo Nova-iorquino do Mezcal. Ela ocupa um prédio inteiro na Lower East Side, Numero 86 Orchard Street. Gabriela foi a nossa anfitriã, e nos levou para dar um passeio pelo restaurante, mostrando toda a sua tradicional decoração de garrafas e objetos mexicanos. "Casa Mezcal nasceu com a ideia de trazer para Nova York a autêntica cultura de Oaxaca no sul do México." Vocês tem que provar, sem dúvida, o Chapulqueso, tortillas feitas com uma mistura de grilos, tomate e queijo, acompanhado de salada. Aconselho também o The Black Ant (no nosso artigo anterior sobre experiências culinárias em Nova York falamos sobre esse prato), No Mezcal vocês vai encontrar uma variedade grande de pratos mexicanos que levam insetos.

Casa Mezcal é também o lugar ideal para você provar o “mole”, um molho especial feito com mais de 32 ingredientes, sua receita é familiar e mantida em segredo por gerações. O Oaxaca Mole Chicken (23 dólares) é servido sobre arroz, feijão e tortilhas, essa será a oportunidade perfeita para você experimentar a autêntica mole mexicana que não é facilmente encontrada.

 

Frying Pan

Onde: Pier 66, Hudson River, West 26th street.

Acredito que o Frying Pan seja um lugar mágico, ideal para você ir em ocasiões especiais. Talvez pelo fato do Frying Pan ser um velho barco que foi resgatado do fundo do rio depois de ter afundado a cerca de 4 anos atrás... Ou pelo fato de estar em um barco restaurante no rio Hudson, ouvindo o som da água e das gaivotas com a certeza que realmente estamos Nova York. Você vai estar de frente para Manhattan, sendo observado pelo Empire e a baixo da Freedom Tower. Estamos em Nova York, mas ao mesmo tempo em um lugar fora dela. Enquanto come uma porção de lulas fritas e toma uma Corona bem gelada, você tem a sensação de que o Frying Pan está pronto para zarpar ... Os preços não são caros como se pode estar pensando. Uma Corona custa 7 dólares e um prato de lula não mais de 20 dólares.

 

Ellen’s Stardust Diner

Onde: 1650 Broadway

Vamos falar a verdade, o menu do Ellen’s Stardust Diner não tem nada de especial. Como muitos outros restaurantes-lanchonetes  de Nova York oferece uma grande variedade de sanduíches: Como o Grilled American Cheese, e também o Hot Diggity (2 cachorros-quentes com chucrute e batatas fritas).

O que o torna único no mundo, e por isso vale a pena uma visita, é o fato de que os garçons do Ellen’s Stardust Diner não são garçons normais. Certamente, elas lhe servem a comida, sorriem e são educados como em todo restaurante, mas a sua grande qualidade é que os garçons são cantores profissionais da Broadway! Certamente vocês vão pedir um prato atrás do outro só para continuar desfrutando de suas apresentações. Como desculpa você pode provar os vários tipos de sorvete oferecidos no Ellen’s Stardust Diner: Cookies and Cream Shake (Sorvete com pedaços de Oreo), ou os Brownies com sorvete de baunilha. Distraídos com a apresentação dos “garçons” (e não apenas os garçons, cozinheiros e todos os demais funcionários da cozinha também são cantores), vocês nem vão lembrar das calorias de seu hambúrguer.